Faltam 6 dias – A mulher e o mercado gamer

Ás vésperas do maior evento de Games brasileiro, em que muitos estão se preparando para as estreias de jogos badalados, stands apinhados de curiosos artigos do mundo gamer, quando um assunto passa pela cabeça: E as mulheres… algumas perguntas surgem:

  • Mulher vai em evento gamer?
  • Mulher gosta de jogar videogame?
  • Mulher no game… você quis dizer salvar a donzela? Peituda lutadora? Feiticeira corpuda?

Sim, mulheres vão a evento gamer, seja para acompanhar o parceiro, seja como player tem aumentado perceptivelmente. Basta ir para perceber que estão participando em campeonatos, realizando cosplayers, assim como na programação de jogos, mesmo que numa menor escala.

Neste tocante, a vice presidente executiva e chefe do departamento de talentos da EA Games, Gabrielle Toledano afirma na coluna Forbeswoman que “as mulheres sabem como fazer jogos focados para mulheres, estabelecendo que há seguramente um mercado delas”.

Diante disso, se há um mercado, então entendemos que as mulheres são o player um também!

De acordo com o diretor criativo da Lionhead (produtora de jogos eletrônicos pertencente à Microsoft Games) Gary Carr, em dez anos cerca de 50% do mercado será composto por mulheres. Isso é um GRANDE dado, se pensarmos que hoje as damas ocupam apenas 4% das cadeiras focadas na criação de jogos. Estamos falando do aumento de 45% num prazo relativamente curto. Segundo Carr, o que alavancará este número são os consoles portáteis e dispositivos móveis.

Além disso, as redes sociais e seus jogos interativos atraem grande parcela da mulherada, que entre uma postagem e outra cuidam de suas cidades virtuais, fazendas, sagas e afins. Porém nada as impede de assumirem o controle de um belo console e arrancar cabeças de zumbi!

Isso nos remete a terceira pergunta, que é a função da mulher nos jogos. Uma vez que as mulheres pouco atuam no desenvolvimento gamer, é comum a valorização dos atributos físicos femininos, até como uma forma de prender a atenção da rapaziada. Ou mesmo salvando a mocinha indefesa, remontando o príncipe que resgata a bela aprisionada na torre guardada por um dragão!

Segundo a consultoria EEDAR (Electronic Entertainment Design and Research), após analisarem 669 títulos, constataram que em apenas 24 eram protagonistas femininas. Precisamos de mais Lara Crofts!

A intenção deste post não é ser feminista e nem fomentar debates do tipo sexo frágil procurando seu espaço, porém sim, um incentivo para a mulherada ir à Brasil Game Show, como namoradas, esposas, gamers, geeks, enfim, façam parte do ativamente do evento e sempre selecionando o “continue”.

Já está pronto pra BGS? Veja os artigos da contagem:

20 dias 15 dias 10 dias 5 dias
19 dias 14 dias 9 dias 4 dias
18 dias 13 dias 8 dias 3 dias
17 dias 12 dias 7 dias 2 dias
16 dias 11 dias 6 dias 1 dia

O que acha da posição da mulher no mercado gamer? Comente aqui. Curta lifestart na sua rede social preferida: TwitterFacebook ou Alvanista.